sexta-feira, 15 de junho de 2012

Surfando na Rio+20



Unidos em prol da mobilização! Valeu, galera! Boas ondas e boas águas, sempre!

Vinte anos atrás eu era uma criança de 12 anos que visitava um evento chamado Eco 92 em uma excursão da escola. Com minha turma da 5ªE do Centro Educacional de Niterói - o Centrinho, franja no cabelo, vestida de uniforme escolar e bermuda jeans cuja cintura batia bem no meio da minha barriga e munida de uma máquina fotográfica de filme que precisava ser rodado a cada foto batida, eu me deliciava vendo maquetes de tecnologias sustentáveis sem sequer imaginar que a palavra sustentabilidade viria a existir um dia. Na minha cabeça infantil, com o pensamento simples e objetivo de criança, admirava os estandes visitados supondo que eles mostravam um mundo justo de um futuro certo.
Em vinte anos, muita coisa mudou. Tenho otimisto para me alegrar com vários êxitos na questão ambiental do Planeta e saber que, de lá pra cá, a mentalidade progrediu em muitos aspectos. O futuro justo que eu esperava... às vezes existe, às vezes não.
Na minha máquina fotográfica já não existe mais uma manivela para rebobinar o filme de 24 ou 36 poses para revelá-lo depois que ele acaba. Meus amigos já não me pedem mais os negativos das fotos - a gente compartilha tudo no Facebook! Na minha bolsa, para falar com minha mãe, não preciso mais daquelas fichinhas de orelhão... Sim, "vamos combinar", muita coisa mudou! A tecnologia de hoje é outra. E a mentalidade do ser humano, também.
Quem imaginaria em 1992 uma pequena máquina fotográfica à prova d´água chamada Gopro, com acessórios de fixação para acompanhar as pessoas no surfe, nas remadas, no mergulho e em aventuras e esportes diversos ou um telefone celular que além de fazer ligações funciona como um pequeno computador com internet e uma série de acessibilidades? Se eu tivesse conversado sobre isso vinte anos atrás com meus amigos de 12 anos, dentro do ônibus da escursão, enquanto voltávamos da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, certamente chamaríamos tudo isso de utópico! E iríamos rir uns dos outros com as ideias quase delirantes que surgiriam no bate papo no caminho de volta para a escola. Vinte anos... Isso mostra como podemos sonhar e idealizar. E depois agir!!!
Certamente, tudo o que foi construído em prol do meio ambiente hoje já foi idealizado e vislumbrado como sonho de algum sonhador. E por falar em sonho... um lembrete do Raul Seixas:
"Sonho que sonha só, é só um sonho que se sonha só. Mas sonho que se sonha junto é realidade".
Esse foi o objetivo da Rio 92 e também o é da Rio+20. Um evento para se sonhar junto, vislumbrar novas possibilidades, argumentar, articular ideias, agitar pensamentos... Pois fazendo tudo isso em conjunto, algo de bom pode virar realidade.
Por isto insisto na visão otimista que assumo, e te convido a compartilhar desse otimismo também. Se não houvesse Rio+20, talvez você nem estivesse lendo estas palavras e refletindo sobre o meio ambiente. Talvez não teria noção que a articulação social e a organização da sociedade civil podem promover mudanças representativas na gestão pública. E é aí que entra o papel dos surfistas e do mundo do surfe nesta história!
Unidos na representatividade de um esporte, indivíduos podem aumentar seus poderes de ação e alimentar seus ideias. O sonho de um, sonhado com o sonho de outro e de muitos pode se tornar realidade. É por isso que o movimento Surfando na Rio+20 procurou unir pessoas envolvidas no mundo do surfe para buscar um diálogo comum de praticantes do esporte em vários cantos do Brasil. O objetivo é saber o que eles andam pensando sobre o futuro de seus "quintais" e quais propostas apresentam para vivenciar seu esporte e todo o lifestyle que o circunda de maneira sustentável. Já parou para pensar em toda a química utilizada para a fabricação de uma prancha, e que tudo isso vai para o lixo muitas vezes de forma inadequada e irregular? Qual o destino certo para as pranchas quebradas? E os campeonatos de surfe, podem se empenhar para apresentar propostas sustentáveis mais representativas para diminuir o impacto dos eventos?
Tudo isso foi discutido no Encontro Livre de Niterói. No dia 14 de junho de 2012, doze jovens se reuniram na academia Aquafish de Itaipu para juntar suas ideias e compartilhar seus ideais. Nas últimas semanas, diversos Encontros Livres de surfistas se espalharam por cidades do país a fim de reunir propostas e pensamentos daqueles que atuam no mundo do surfe. No dia 20 de junho, na Rio+20, estas ideias serão compartilhadas na forma de uma relatório geral sobre a situação do esporte nas dimensões socioambientais, culturais e econômicas. E se depender do esforço conjunto da galera, vai trazer bons frutos e boas ondas no futuro!

Estas foram as pessoas do primeiro encontro:
  1. Tito Amaral
  2. Betina Kopp
  3. Bruninho Santos
  4. Haissa Cury
  5. Eduardo Barcellos
  6. Luiza Perin
  7. Jorge Punaro
  8. Ana Paula Accacio Veloso
  9. Marcelo Couto
  10. Raquel Heckert
  11. Victor Cheferrino
  12.  Livia Fernandes
Tito apresentando as propostas e ações do Comitê Pró-Fórum Brasileiro de Surf e Sustentabilidade.

A atriz e poetisa niteroiense Betina Kopp orientando as organizações de ideias do grupo.

Presenças importantes como o surfista profissional Bruninho Santos, cria de Itacoatiara.
Contribuições valiosas de Duda Barcellos, um dos representantes do Movimento Preserve Assim.

Tito, grande Tito! Representou muito bem o surfe de Niterói na Rio+20!
 Prometemos nos reunir outras vezes e levantar sempre novas discussões e propostas pela preservação dos mares e corpos hídricos (não esquecemos das lagoas de Niterói!).
Preserve Assim
No Encontro Livre de Niterói, ficou a promessa de promover ações sociais que estimulem a conscientização do jovem. Decidiu-se unir todos os esforços deste novo grupo ao já existente e atuante Movimento Preserve Assim, engajado na luta pela preservação do nosso litoral envolvendo os municípios de Niterói e Maricá. O Preserve Assim é atuante nas articulações sociais que questionam empreendimentos como o duto do Comperj em Itaipuaçu e a operação Bota-Fora das obras de dragagem da Baía de Guanabara (que pena ela ser tão relegada...) com posterior despejo em áreas oceânicas. Para saber mais sobre o Preserve Assim, visite  http://www.preserveassim.org/  e curta no Facebook http://www.facebook.com/media/set/?set=a.125517837490711.8429.100000974856833&type=3#!/PreserveAssim

Preserve Assim... assim mesmo, desta forma, assim desta maneira: lendo, se informando, se articulando com outras pessoas e agindo!

Você será bem vindo ao próximo encontro!

Aloha e até a próxima postagem!
Luiza Perin



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Se você gostou, volte sempre!
Sinta-se à vontade para deixar seu comentário!
Aloha!