segunda-feira, 16 de julho de 2012

Oito anos com as cobras



Fotografia: Roger Palomo

Extração de veneno de jararacussu no Instituto Vital Brazil.
Já estagiei na ONG Viva Rio em meio a meninos da Favela da Rocinha e no zoológico do Rio guiando passeios de turmas escolares; já dei aula de pátina, mosaico e artesanato, pintei quadros e modelei argila, já passei dois meses embarcada em um navio cargueiro realizando avistamento e registro de catáceos ao longo de toda a costa brasileira; já estudei os lagartos da restinga de Itacoatiara e desenvolvi muitos trabalhos por aí, mas aquele que mais me impulsionou e me transformou profissionalmente foram os oito anos vividos no Instituto Vital Brazil.

No Vital Brazil deixei de ser estagiária para ser bióloga. Não uma bióloga qualquer, pois pude exercer naquela instituição aquilo que significaria o sentido mais amplo da palavra biologia (bio = vida; logia = saber). Isso significa que fui além dos conhecimentos sobre ecologia de cobras e aranhas e seus venenos; descobri sobre a vida na natureza e longe dela, descobri sobre o ser humano e seus relacionamentos profissional e interpessoal bem como suas glórias e conquistas no campo do saber. Adquiri conhecimentos, também, sobre mim mesma e norteei a postura profissional que assumiria em minha carreira. No Instituto Vital Brazil, tive liberdade para exercer meu trabalho de bióloga aplicando também conhecimentos da minha primeira formação (Comunicação Social - Publicidade) e também das minhas vocações artísticas. Aí reside o significado mais amplo da palavra Biologia - a sabedoria da vida.

Em meu primeiro ano no IVB, ainda como estagiária do biólogo Ms. Cláudio Maurício - figura indiscutivelmente admirável - dei início ao processo de criação dos primeiros desenhos que me levaram de vez ao universo da ciência para o mundo infantil:

Ensino Ilustrado sobre animais Peçonhentos: 


Mostrando o caderno de ilustrações para crianças na exposição do IVB.
Este trabalho foi desenvolvido para atender à demanda do público infantil, através das escolas, por palestras no Vital Brazil. Tratar as crianças como adultos em miniatura é coisa do século retrasado. A linguagem infantil se faz entendida de maneira lúdica, criativa e colorida. 
Nasceu então este trabalho: uma encadernação com 32 desenhos coloridos e plastificados em folha A3, com figuras que ilustram chamativamente os principais tópicos dos conteúdos de uma palestra para adultos. 




Em caso de acidente....
Lavar a área da ferida com água e sabão, para evitar infecções secundárias.
No hospital, o acidentado receberá o soro que vai neutralizar a ação do veneno do animal.  
Aranha caranguejeira, a aranha que tem uns pelos grandes...


"Hum... snif, snif! A cobra tá tristinha!!!"

Este é o desenho que eu mais gosto! Quando chega nesta página costumo parar tudo e chamar atenção para sua importância. A jararaca é uma espécie que se adaptou com facilidade aos ambientes dominados pelo homem. Como explicar isto para uma criança de 6 anos? Fácil: a cobra está triste pois não encontra mais alimento na floresta. Os rios estão secando e as árvores sendo derrubadas... ela não tem escolha: ou entra em extinção, ou foge para a cidade, onde encontra muitos ratinhos para comer.

Gibi com minhas ilustrações.
Gibi A Família IVB e os Vizinhos Venenosos: Motivada pela jornalista Beth Esteves e ao lado da criativa amiga Helena Marcolini lançamos, no Salão de Leitura de Niterói de 2008, o gibi "A família IVB e os vizinhos venenosos", que trás ensinamentos sobre a relação do ser humano com os animais peçonhentos de forma lúdica. A partir de então, o número de palestras para crianças e jovens foi aumentando e as ideias criativas de acessibilidade do mundo científico dos animais peçonhentos para crianças não paravam de surgir. 




Crianças da Escola do Pouso da Cajaíba, Paraty - RJ, lendo o gibi A Família IVB e os Vizinhos Venenosos.
"A surucucu é a maiooor serpente peçonhenta das Américas!".
Não basta ler a historinha para a criançada. Tem que interpretar!!!
(Santo Antônio, Bom Jardim - RJ)
Quando a Ivebelinha encontra uma aranha em seu quarto, ela dá um grito!!!
(Projeção em datashow de slides com desenhos do gibi em palestra na localidade de Santo Antônio, em Bom Jardim - RJ.)
E não são só as criancinhas que gostam, não. Tem muito adolescente e adulto  que adora aprender sobre os animais peçonhentos de forma descontraída!
(Santo Antônio, Bom Jardim - RJ)
Foram muitas e muitas palestras para públicos diversos: crianças bem pequenas, adolescentes e jovens, estudantes universitários, empresas, corpo de bombeiros, idosos e um uma diversidade imensa de pessoas reunidas para assistir às palestras do Vital Brazil através de instituições, encontros, congressos e associações. 
Palestra na RPPN Sítio da Pedra Aguda, Bom Jardim - RJ.
Pedra Aguda
Comunidade de pescadores do Pouso da Cajaíba, Paraty - RJ.
Palestra para crianças na exposição permanente do Vital Brazil, ainda como estagiária.



Projeto Férias Científicas:

Inspirado nisso tudo, em 2010 nascia então o projeto "Férias Científicas" no calendário de atividades do IVB. Nos meses de férias escolares, as crianças inscritas em cada temporada aprendem, de forma inusitada, sobre ofidismo e meio ambiente, entre outros temas, em uma programação de uma semana que pode ser considerada como uma colônia de férias para aprender.

Férias Científicas no Vital Brazil - temporada de janeiro de 2011, com a então estagiária de biologia Rhaíza Esteves.

E quem disse que só de crianças vivem os desenhos? 
Em parceria com a ASCOM - Assessoria de Comunicação do IVB, com a carismática jornalista Thais Marini e sua equipe, criamos formas inusitadas de falar de assunto sério com os funcionários da instituição:


Cartaz da SIPAT - Segurança do Trabalho (meu desenho)

Campanha durante o carnaval para os funcionários (meu desenho).

Cartaz de congresso interno para os funcionários (meu desenho)

Estas criações foram acontecendo ao longo dos oito anos em que estive no Vital Brazil: dois como estagiária e seis como contratada. Logo no segundo ano de estágio, passei do aracnário para o serpentário, chefiada pelo biólogo Cláudio Machado, na Divisão de Herpetologia. Na herpetologia comecei os trabalhos de revitalização da COLEÇÃO CIENTÍFICA e, com consentimento e total apoio do diretor científico Luis Eduardo Cunha, ainda como estagiária, dei início ao projeto de coleta seletiva de embalagens Tetra Pak.



Coleta seletiva de embalagens Tetra Pak: Como nasceu este projeto? De onde veio a ideia de associar o tema dos animais peçonhentos à reciclagem?
A ideia surgiu para minimizar o calor no recinto onde ficavam as serpentes da exposição, pois as embalagens recicladas viram uma interessante telha ecológica, 
que reflete até 70% da radiação solar, diminuindo o calor no interior do recinto. Em outubro de 2008 demos início, oficialmente, à parceria com a empresa Recicoleta, sendo o start para o projeto que já arrecadou mais de 2 toneladas de embalagens, que correspondem a mais de cem mil caixinhas que deixaram de poluir rios, mares e ruas e deixaram de sobrecarregar aterros sanitários e lixões. 




Antes
Depois
Hoje, em 2012, as necessidades iniciais do projeto já foram há muito supridas, mas sua finalidade primordial continua viva - a preservação da natureza e a conscientização ambiental. A iniciativa foi abraçada pelo projeto Arquitetos de Família - um interessantíssimo programa de arquitetos e assistentes sociais do IVB - que criou o que hoje é o maior fomentador de embalagens para reciclagem na instituição: o Trocado Vital. As famílias cadastradas no projeto, das comunidades do entorno, juntam embalagens e estas são trocadas por uma moeda própria do projeto, o Trocado Vital. Com o trocado Vital eles podem comprar material de construção nas feiras de troca do projeto. 
Mas o recebimento espontâneo, de pessoas que querem simplesmente ajudar, continua e cresce cada vez mais! Foi bom para as serpentes e será sempre bom para a sociedade! Obrigada Luis Eduardo! A natureza agradece!

Foram muitos trabalhos e muitos momentos de aprendizado!
Especialmente ao lado de Aníbal Melgarejo, primeiro meu professor na faculdade, depois meu chefe na Divisão de Zoologia Médica, onde passei a maior parte do tempo ao longo dos anos vividos no Vital Brazil.
Meu carinho e gratidão especiais ao casal de professores, colegas de profissão e também amigos Aníbal e Aniesse!


Extração pública de veneno (1)
Extração pública de veneno (2).

Tratamento da surucucu (Lachesis muta) com e estagiária de veterinária Marina Lourival.

E as serpentes sempre foram muito bem tratadas! Ganham beijinho....
... e me dão beijinho! Um beijinho do Bil, a píton mansinha que é a alegria dos visitantes do Vital Brazil!

Aníbal, Luis Eduardo, Luiz Flávio (estagiário), Luciana (estagiária), eu, Wanderley e o queridíssimo Bené!
Todos segurando a Rafaela, a sucuri que viveu durante muitos anos no Vital Brazil.
Querida Rafaela...


Nunca fiz uma postagem tão grande neste blog! O blog Vou de Canoa hoje virou "fui com as cobras". E fui mesmo!
Graças ao patrocínio do Instituto Vital Brazil realizei a remada mais audaciosa da minha vida!
De Niterói à Ilha Grande em uma canoa havaiana, sozinha! O Vital Brazil me apoiou bancando os custos do aluguel do barco de apoio, o veleiro que me acompanhou ao longo das 28 horas ininterruptas de remada. Obrigada Vital Brazil!

Antônio Werneck, presidente do Intituto Vital Brazil, no dia da partida para a remada rumo à Ilha Grande. Praia de Charitas, Niterói - RJ.

A Guardiã dos Mares, minha canoa, com o adesivo do IVB durante a remada para Ilha Grande.

Seria preciso muitas e muitas outras postagens com muito mais conteúdo para falar dos meus oito anos com as cobras!

Hoje, ao me despedir da recepcionista do Vital Brazil, a singular Telma, me emocionei. Ao vê-la levantar para me dar um abraço, lembrei que o mesmo gesto de carinho foi feito pelo meu chefe, pelo meu diretor e pelo presidente da instituição. Vi como foi bom trabalhar neste lugar onde pessoas simples são muito nobres e pessoas nobres são igualmente simples; onde o afeto e a simpatia transitam entre presidentes, recepcionistas e demais trabalhadores.

MEU AFETO A TODOS COM QUEM TRABALHEI NO INSTITUTO VITAL BRAZIL, DIRETA OU INDIRETAMENTE!


Estas fotos foram tiradas em atividades do Vital Brazil no Parque Estadual da Serra da Tiririca, onde vou trabalhar a partir de agora:
Recolhendo folhas secas na trilha do Córrego dos Colibris para utilizar como substrato para  cobras no recinto da surucucu. Com as estagiárias Marina e Rhaíza.
Exposição do Vital Brazil da sede do PESET, em Itaipuaçu, Maricá - RJ.
                                                                                 
Exposição do Vital Brazil da entrada da subsede do parque, em Itacoatiara, Niterói - RJ.
Com Rhaíza, primeiro estagiária, depois amiga e agora amiga e colega de profissão.
Desejo a ela muito sucesso!



ALOHA E ATÉ A PRÓXIMA POSTAGEM!




   

4 comentários:

  1. Parabéns por tudo, Luiza! Seu trabalho e disposição são contagiantes e só resta te agradecer por dividir isso tudo aqui com a gente! Compartilhando...

    ResponderExcluir
  2. Luiza, muito legal! Foi muito bom te ter por perto todos esses anos! beijos,

    ResponderExcluir
  3. Luiza,

    Agora eu sei porque levei uma "bronca" quando pisei em um inseto na prova de canoa na raia da USP em Sampa....rsrsrsrsrs...bela postagem .
    Grande Beijo.

    Provetti

    ResponderExcluir
  4. glorinha lattinni18 de julho de 2017 04:03

    Que emoção ver a foto das meninas com vc no Vital Brazil!!!!!

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Se você gostou, volte sempre!
Sinta-se à vontade para deixar seu comentário!
Aloha!